Rádio-Iberoáfrica-Logo-Oficial-500x500px

Espanha vai apoiar a Guiné-Bissau no Combate ao Crime Econômico e Branqueamento de Capitais

Espanha-Guiné-Bissau-acordo-cooperação-combate-crime-econômico-Rádio-Iberoáfrica
Espanha-Guiné-Bissau-acordo-cooperação-combate-crime-econômico-Rádio-Iberoáfrica

O Conselho Geral do Notariado e dos Registos de Espanha (CGNRE) e Guiné-Bissau afirmam compromisso no combate ao crime econômico e branqueamento de capitais através de um acordo de cooperação, cuja implementação vai contar com um novo sistema informático no serviço de identificação civil e dos registos.

A informação foi avançada no passado dia 15 de Março do ano em curso, na capital da Guiné-Bissau, pelo Chefe da Delegação Espanhola que se deslocou àquele país africano, Don Alfonso Cavallé, na sua visita de três dias em Bissau assegurou que a finalidade da cooperação é “trabalhar em experiências mútuas de melhoria dos nossos notariados, também o aproveitamento das experiências na aplicação das tecnologias ao trabalho do notariado, a cooperação na luta contra a delinquência económica e o branqueamento de capitais”. Reiterou Alfonso Cavallé que, “este é um acordo de intenções, um acordo de amizade”.

Por outro lado, o Director Geral de Identificação Civil, Registo e Notariado da Guiné-Bissau, Elder Cruz Vieira, ao reconhecer as dificuldades que o seu pelouro enfrenta asseverou “temos estado a viabilizar no quadro da reforma que o Governo está a fazer a nível da justiça no seu todo, está-se a fazer um trabalho no sector”. Cruz Vieira contou que o que se vê hoje nos serviços de notariado da Guiné-Bissau é um sinal claro de melhoria no sector, concluiu o responsável.

Por seu turno, Maria Luísa Pacheco, Conselheira de Relações Internacionais do CGNRE, destacou; “é uma missão relâmpago, mas com certeza será a primeira de muitas mais”. A funcionária dos serviços de notariado de Espanha de nacionalidade portuguesa destacou ainda que o fornecimento de informáticos e toda a tecnologia que será implementada, “tudo isso oferecido pelo Conselho de Notariado de Espanha, que apostou aqui na Guiné-Bissau o mesmo que estamos a implementar também na América Latina”.

Não é possível copiar o conteúdo desta página

Scroll to Top