Rádio-Iberoáfrica-Logo-Oficial-500x500px

Angolanos participam no Filme Espanhol “A fuga”

Angolanos participam no Filme Espanhol-A fuga-Rádio-Iberoáfrica-Capa
Angolanos participam no Filme Espanhol-A fuga-Rádio-Iberoáfrica-Capa

“A fuga”, a primeira longa-metragem de Tuti Fernández, defende que não há idade para aproveitar as oportunidades, mesmo que isso signifique romper com o que está estabelecido. É a ideia que fica na cabeça do espectador ao terminar de assistir “A fuga”. Os actores vivenciaram a aventura das suas personagens. Um elenco sénior, o facto de viajarem para Angola para filmar aquele que para muitos é o filme mais importante das suas carreiras, e de um grande impacto.

Interpretado pelo irlandês (espanhol por adopção) Declan Hemp, de 61 anos. Em código de humor e sempre levando as coisas um pouco ao extremo, como é de regra na comédia conta a história de um trompetista de jazz (Mike Blow, interpretado por Hemp) que acaba em uma casa de repouso especializada em música. A maioria deles são glórias aposentadas da música clássica que passam seus últimos dias jogando bingo.

Um grupo de idosos, todos músicos aposentados, após anos de turneês e sucesso ao redor do mundo, passa os seus últimos dias em uma casa de repouso. A tranquilidade é quebrada no dia em que Mike Blow, um excêntrico músico de jazz com Alzheimer, chega à residência. Um telefonema e um engano são o gatilho para um plano. Mike irá convencê-los a fugir de lá e embarcar numa viagem para África para encontrarem com uma orquestra de crianças de rua em Angola. A viagem mudará para sempre a vida de todos eles.

Toda gravação do filme foi possível graças aos esforços de toda a equipa técnica e artística e, sobretudo, à colaboração das Embaixadas de Angola em Espanha e da Embaixada de Espanha em Angola, bem como da companhia aérea angolana TAAG e do Instituto de Cinema Angolano.

Tuti Fernández apontou que filmar em Angola foi uma experiência inesquecível. “Tivemos um elenco maravilhoso de actores angolanos e parte da equipa técnica e de produção também era residente em Luanda”. Ressaltou o prazer de filmar tanto em Luanda como na desembocadura do Rio Kwanza, proporcionando imagens fantásticas, além de partilhar dias de filmagem na Escola Kaposoka, acolhidos por Pedro Fançony e sua equipa. “As crianças da escola desempenharam um papel maravilhoso”.

Tuti Fernández falou com muito carinho sobre as crianças da escola de música Kaposoka, a forma em que está estruturada para ensinar as crianças.

E relembra que conheceu a escola há anos, através do produtor Manuel Serrano, e decidiu contar a história de duas gerações, idosos e crianças e de duas culturas, a espanhola e a angolana, unidas através da música. “Estas duas gerações e culturas diferentes aprenderão uma com a outra na nossa história”.

O lançamento do filme em Espanha foi no passado dia 10 do corrente mês e ano. Mas, antes do lançamento comercial, o filme foi seleccionado em festivais da Espanha, Estados Unidos, Canadá, México. Em vários destes festivais foi premiado com reconhecimento de melhor filme e elenco artístico.

Sobre a estreia em Angola e perspectivas do filme, salientou que “de momento o filme está nas mãos de uma das mais importantes distribuidoras espanholas chamadas – A Contracorrente”. Actualmente é exibido exclusivamente nos cinemas Verdi de Madrid e “esperamos que tenha sucesso suficiente para ser exibido em outros países e continentes. Esperamos poder estreá-lo em algum momento em Angola, para que os actores que nele participaram e a equipa técnica possam desfrutar da sua história na tela grande”, concluiu.

Sobre o elenco, talvez o caso mais eloquente e divertido seja o da actriz Bel Orfila, de 83 anos. Na primeira noite que a equipa passou em Angola, Sergio Pazos (59 anos) e Declan Hemp não quiseram perder a oportunidade de visitar uma discoteca local. Ao apresentarem o seu plano ao restante do elenco, Orfila disse a frase-chave: “Estou dentro”. “Ela saiu conosco às onze da noite e fomos a uma boate”, lembra Declan. “Éramos dois homens de 50 e 60 anos e uma senhora de 83.

“Em todos os momentos estive atento para cuidar dela, para procurar mesa. E nos divertimos muito. Outros preferiram ficar no hotel, mas ela era a primeira a se alistar para tudo”.

Angolanos-participam-no-Filme-Espanhol-A-fuga-Radio-Iberoafrica
Angolanos-participam-no-Filme-Espanhol-A-fuga-Radio-Iberoafrica

Não é possível copiar o conteúdo desta página

Scroll to Top