Rádio-Iberoáfrica-Logo-Oficial-500x500px

Arte

Ana-Clara-Guerra-Marques-entrevista-Radio-Iberoafrica-CEARTE-capa
Angola, Arte, Ciência, Criança, Cultura, Dança, Desenvolvimento sustentável, Educação, Ibero-África, Iberofoia, Justiça, Juventude, Mulher, Paz, Saúde, Sociedade, Turismo

Professora Ana Clara Guerra Marques Concede entrevista à Iberoáfrica na Arena das Artes 2024 do CEARTE

Em alusão à realização da arena das artes do Instituto Politécnico Superior de Artes afeto ao Complexo das Escolas de Artes (CEARTE) Nº 9011; sob o lema “nós, as artes e o meio ambiente no centro”, a Rádio Iberoáfrica entrevistou a renomada pesquisadora angolana, docente e fundadora da Companhia de Dança Profissional Angolana (CDC Angola), Ana Clara Guerra Marques, que foi homenageada pelos seus anos dedicados à dança e à formação artística em Angola. O Festival Arena das Artes – CEARTE 2024, que decorre de 28 a 31 de Maio, é organizado pela direcção da instituição e tem como objectivo a demonstração das competências humanas, artísticas, pedagógicas e profissionais de professores e alunos do CEARTE, por outro lado, o Festival visa homenagear todos profissionais que tiveram um papel fundamental na história e no desenvolvimento da instituição bem como nas artes e na cultura de Angola. E no primeiro dia do Festival a homenageada foi a professora Ana Clara, uma das principais precursoras do CEARTE, cuja relação com a instituição data desde 1975. A Dra. Ana Guerra Marques foi a mentora para a área da dança da instituição e a primeira Directora da mesma, enquanto Escola Nacional de Dança em 1978, por indicação do poeta António Jacinto do Amaral Martins (com pseudónimo Orlando Távora), na altura Ministro da Cultura (1975-1978). A ela se deve a criação e a defesa do ensino profissional da dança em Angola, ao assumir em 1978, a direcção da única escola de dança existente no país. Com os alunos da escola, Ana Guerra Marques funda, em 1991, a CDC Angola. Na sua primeira entrevista à Iberoáfrica, destacou: Depois de sensivelmente cinco décadas, que significado tem para si esta homenagem? – Este momento traduz a minha história com o CEARTE, comecei a dirigir a escola em 1978, após a saída da professora responsável pelo curso, quando era aluna da escola, e fiquei dirigindo a Escola Nacional de Dança por indicação do antigo Ministro na altura, o poeta António Jacinto, que não se compadeceu com os meus argumentos, pois era muito jovem; todavia, com o tempo fui percebendo a importância que era de eu estar naquele lugar, ou seja, eu poder desenvolver o ensino artístico que eu tinha começado enquanto criança, pois, desde pequena já sabia que ser bailarina era uma profissão. E, portanto, começar isso de novo no nosso país, um país novo que acabava de conhecer a independência. E assim fui batalhando, fui continuando, desenvolvi o melhor que eu podia, dentro das condições que o país permitia, com a ajuda de professores de fora que vinham cá de vez em quando. Depois chegou uma altura que fui formar-me em dança, fiz a minha licenciatura e o meu mestrado, e em realidade eu olho para trás, e vou ser muito sincera, eu sou mesmo muito transparente – eu não posso dizer que esteja feliz, contente 100%, porque se se tivesse apostado nas artes, no ensino da dança por exemplo, nós nesta altura teríamos várias gerações de bailarinos, coreógrafos, professores de dança e esta escola teria um nível muito mais alto, já teríamos um ensino superior, ou seja, eu acho que não houve um investimento estatal suficiente no ensino das artes. E nós vemos por aqui, tantos anos depois, temos somente uma companhia profissional, temos uma escola que se debate com todo o tipo de dificuldades e mais alguma, temos alunos que precisam de muito mais, precisamos de bons professores – de níveis técnicos mais elevados, equiparados alunos de nível médio com outros de outras formações, por exemplo; mas os alunos têm um nível muito abaixo daquilo que é preciso ter… esta é a verdade, ou seja, a culpa não é dos alunos, não é dos professores, a culpa não é da instituição, há realmente um compromisso, uma obrigação grande que não está a ser devidamente assumida por parte das estruturas estatais, governamentais, que têm que olhar para esta Escola porque é uma Escola Estatal. É preciso que os professores tenham a formação certa para poderem ensinar e não basta ter licenciatura ou mestrado, tem que o ter naquela área, no caso, música, dança, teatro, por exemplo. Como nós sabemos, qualquer área artística é uma área do saber, por isso, há doutoramentos e pós-doutoramentos em dança, música, teatro, etc. em suma, a instituição não é aquilo que eu sonhei um dia, quando comecei muito jovem, cheia de ideias, de perspectivas. Passaram-se muitos anos e eu continuo a fazer o meu trabalho de investigação e sobretudo continuo a criar com os meus bailarinos, como coreógrafa, e, portanto, continuo a fazer este trabalho criativo, de partilhar com o público, de intervir para a mudança da sociedade através das peças que nós fazemos. E olhar para esta legião fantástica de bailarinos que eu formei na companhia, que estão sempre dispostos, que são realmente profissionais, isto é o que me faz perceber como foi importante tudo isto. Nós dançamos fora de Angola e o nosso país através da companhia é aplaudido em pé. Que tipo de apoios a companhia que dirige tem recebido a nível ministerial ou governativo? – Como já mencionei, o nosso país através da CDC Angola é aplaudido em pé lá fora, porém, é uma companhia que não tem apoio, é uma companhia que está abandonada pelo Ministério de tutela, mas nós temos uma grande força – que é sermos profissionais, e isso vincula-nos ao nosso trabalho e ao cumprimento desta missão, que é contribuir fortemente para o desenvolvimento da dança profissional, intelectual de Angola. Há mais de 49 anos, a seu ver qual é o caminho que deve ser trilhado para que Angola esteja ao nível dos países que se desenvolveram e se destacam na área das artes? Considerando que uma sociedade não se faz apenas com médicos, militares e engenheiros, mas, e sobretudo com artistas, escritores e intelectuais. – Os artistas, escritores e os intelectuais, isso aí… este é que é o coração das sociedades… Como tu disseste e muito bem, sabes… se não temos professores licenciados

Angolanos participam no Filme Espanhol-A fuga-Rádio-Iberoáfrica-Capa
Angola, África, Arte, Cinema, Cultura, Espanha, Europa, Ibero-África, Iberofonia

Angolanos participam no Filme Espanhol “A fuga”

“A fuga”, a primeira longa-metragem de Tuti Fernández, defende que não há idade para aproveitar as oportunidades, mesmo que isso signifique romper com o que está estabelecido. É a ideia que fica na cabeça do espectador ao terminar de assistir “A fuga”. Os actores vivenciaram a aventura das suas personagens. Um elenco sénior, o facto de viajarem para Angola para filmar aquele que para muitos é o filme mais importante das suas carreiras, e de um grande impacto. Interpretado pelo irlandês (espanhol por adopção) Declan Hemp, de 61 anos. Em código de humor e sempre levando as coisas um pouco ao extremo, como é de regra na comédia conta a história de um trompetista de jazz (Mike Blow, interpretado por Hemp) que acaba em uma casa de repouso especializada em música. A maioria deles são glórias aposentadas da música clássica que passam seus últimos dias jogando bingo. Um grupo de idosos, todos músicos aposentados, após anos de turneês e sucesso ao redor do mundo, passa os seus últimos dias em uma casa de repouso. A tranquilidade é quebrada no dia em que Mike Blow, um excêntrico músico de jazz com Alzheimer, chega à residência. Um telefonema e um engano são o gatilho para um plano. Mike irá convencê-los a fugir de lá e embarcar numa viagem para África para encontrarem com uma orquestra de crianças de rua em Angola. A viagem mudará para sempre a vida de todos eles. Toda gravação do filme foi possível graças aos esforços de toda a equipa técnica e artística e, sobretudo, à colaboração das Embaixadas de Angola em Espanha e da Embaixada de Espanha em Angola, bem como da companhia aérea angolana TAAG e do Instituto de Cinema Angolano. Tuti Fernández apontou que filmar em Angola foi uma experiência inesquecível. “Tivemos um elenco maravilhoso de actores angolanos e parte da equipa técnica e de produção também era residente em Luanda”. Ressaltou o prazer de filmar tanto em Luanda como na desembocadura do Rio Kwanza, proporcionando imagens fantásticas, além de partilhar dias de filmagem na Escola Kaposoka, acolhidos por Pedro Fançony e sua equipa. “As crianças da escola desempenharam um papel maravilhoso”. Tuti Fernández falou com muito carinho sobre as crianças da escola de música Kaposoka, a forma em que está estruturada para ensinar as crianças. E relembra que conheceu a escola há anos, através do produtor Manuel Serrano, e decidiu contar a história de duas gerações, idosos e crianças e de duas culturas, a espanhola e a angolana, unidas através da música. “Estas duas gerações e culturas diferentes aprenderão uma com a outra na nossa história”. O lançamento do filme em Espanha foi no passado dia 10 do corrente mês e ano. Mas, antes do lançamento comercial, o filme foi seleccionado em festivais da Espanha, Estados Unidos, Canadá, México. Em vários destes festivais foi premiado com reconhecimento de melhor filme e elenco artístico. Sobre a estreia em Angola e perspectivas do filme, salientou que “de momento o filme está nas mãos de uma das mais importantes distribuidoras espanholas chamadas – A Contracorrente”. Actualmente é exibido exclusivamente nos cinemas Verdi de Madrid e “esperamos que tenha sucesso suficiente para ser exibido em outros países e continentes. Esperamos poder estreá-lo em algum momento em Angola, para que os actores que nele participaram e a equipa técnica possam desfrutar da sua história na tela grande”, concluiu. Sobre o elenco, talvez o caso mais eloquente e divertido seja o da actriz Bel Orfila, de 83 anos. Na primeira noite que a equipa passou em Angola, Sergio Pazos (59 anos) e Declan Hemp não quiseram perder a oportunidade de visitar uma discoteca local. Ao apresentarem o seu plano ao restante do elenco, Orfila disse a frase-chave: “Estou dentro”. “Ela saiu conosco às onze da noite e fomos a uma boate”, lembra Declan. “Éramos dois homens de 50 e 60 anos e uma senhora de 83. “Em todos os momentos estive atento para cuidar dela, para procurar mesa. E nos divertimos muito. Outros preferiram ficar no hotel, mas ela era a primeira a se alistar para tudo”.

Não é possível copiar o conteúdo desta página

Scroll to Top