Rádio-Iberoáfrica-Logo-Oficial-500x500px

Ibero-África

Dr. F. Álvaro Durántez Prados e o Dr. Fernando Ignacio Ondo, durante a jornada institucional entre FUNIBER e AEGLE
África, Ciência, Cultura, Educação, Espanha, Europa, Guiné Equatorial, Ibero-África, Iberofonia, Sociedade

Jornada Institucional entre a Cátedra FUNIBER de estudos Iberoamericanos e da Iberofonia e a Academia Ecuatoguineana de la Lengua Española

O Director de Relações Institucionais da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) e da Cátedra FUNIBER de Estudos Iberoamericanos e da Iberofonia, Dr. Frigdiano Álvaro Durántez Prados e o representante e académico de número da Academia Ecuatoguineana de la Lengua Española (AEGLE), Dr. Fernando Ignacio Ondo, mantiveram uma jornada institucional e de trabalho na província de Guadalajara, Espanha. Uma semana depois da assinatura em Santander do convênio quadripartido entre a FUNIBER, a Universidad Europea del Atlántico (UNEATLANTICO), o Centro Internacional de Pós-graduação da Guiné Equatorial “Verónica Eyang” (CIPVE) e a AEGLE, e a assinatura do Convénio Específico de Bolsas de Estudo entre a FUNIBER e o CIPVE, o Dr. Ondo e o Dr. Durántez reuniram-se na localidade castelhana de Almonacid de Zorita, na sede do Instituto Durántez de Altomira, para planificar e aprofundar a relação entre as entidades signatárias do convénio celebrado na capital da Cantábria. Em particular, foram abordadas questões relativas à próxima implementação de uma Delegação da FUNIBER na capital da Região Continental da República da Guiné Equatorial, a cidade de Bata, a partir da qual se poderá contribuir na gestão e promoção directamente dos programas de bolsas de estudo de graduação, pós-graduação, mestrado e doutoramento oferecidos pela FUNIBER à sociedade equato-guineense através da colaboração acordada com o CIPVE e a AEGLE. Durante o encontro, o Dr. Durántez e o Dr. Ondo mantiveram uma reunião telemática com o presidente da FUNIBER, Dr. Santos Gracia Villar, na qual foram estabelecidas directrizes específicas para garantir a rapidez e a eficácia da implementação dos acordos assinados.

Embaixador-Angola-Espanha-Visita-Cantabria-capa-iberoafrica
Angola, Desenvolvimento sustentável, Diplomacia, Economia, Educação, Emprego, Espanha, Europa, Ibero-África, Iberofonia, Política

Embaixador de Angola em Espanha visita a Região Autónoma de Cantábria para Fortalecimento das Relações Comerciais e Académicas

Nos dias 20 e 22 de Junho de 2024, o Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República de Angola no Reino de Espanha e Principado de Andorra, Alfredo Dombe, realizou uma visita de trabalho a dois municípios da Região Autónoma de Cantábria, designadamente, Santander e Torrelavega, para o reforço dos laços académicos e comerciais entre Angola e a parte da Região Norte de Espanha, e segundo avançou a fonte dos Serviços de Comunicação Institucional e Imprensa da Embaixada de Angola, entre os principais feitos constam o fortalecimento das relações com duas instituições espanholas da dita região, nomeadamente, a Universidad Europea del Atlántico (UNEATLANTICO) e o Grupo Armando Alvarez do sector da agricultura, alimentação e higiene. Em Santander, o Embaixador Alfredo Dombe, participou do cortejo académico e, na qualidade de Padrinho do evento, fez parte da lista de oradores da Cerimónia de Graduação da UNEATLANTICO. Com a sua principal infraestrutura em Santander, a UNEATLANTICO está ligada por convénio à Universidade Internacional do Cuanza (UNIC) – localizada na Província do Bié, permitindo aos estudantes angolanos matriculados nos programas de licenciatura, finalizar os estudos em Espanha e convalidar os créditos já cursados em Angola, assim como obter uma segunda titulação espanhola do curso, com todos os requerimentos exigidos pelos programas administrados pela União Europeia. Na Cerimónia apadrinhada pelo Embaixador de Angola, obtiveram os diplomas de licenciaturas quatro estudantes angolanos que terminaram as suas formações nas áreas de Engenharia Informática, Ciência e Tecnologia dos Alimentos, Engenharia das Indústrias Agrárias e Alimentares, Engenharia de Organizações Industriais e Nutrição Humana e Dietética. No seu discurso dirigido ao Corpo Reitor da Universidade, Professores, Formandos, amigos e familiares presentes, o Embaixador Dombe felicitou os estudantes graduados pela sua dedicação e esforço, reconhecendo o apoio fundamental das suas famílias, amigos e professores na sua jornada académica. Durante a sua alocução, Alfredo Dombe salientou a importância da aplicação dos conhecimentos adquiridos para o desenvolvimento dos seus países e para enfrentar os desafios globais, como as alterações climáticas e as desigualdades socioeconómicas, tendo sublinhado também a importância da educação, como motor do desenvolvimento e da cooperação internacional, manifestando a sua satisfação pela colaboração académica e cultural entre a República de Angola e o Reino de Espanha. Antes do encontro académico, o Embaixador de Angola que se fazia acompanhar pelas Responsáveis dos Sectores Económico e Comercial da Missão Diplomática Angolana, visitou a Sede do Grupo Armando Álvarez, principal Entidade empresarial na produção de materiais de embalagem, com especial destaque para os sectores da agricultura, alimentação e higiene. O Grupo Armando Alvarez deu a conhecer a intenção de visitar Angola, para analisar a possibilidade de entrar no mercado angolano de embalagens, devido à sua vantagem estratégica como porta de entrada para os mercados da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), bem como de forma mais abrangente, da Zona de Comércio Livre Continental Africana (AfCFTA). No referido encontro, o Embaixador Alfredo Dombe fez uma apresentação sobre a República de Angola, como país de consumo de produtos de embalagem, assinalando não só os desafios enfrentados, mas também as oportunidades de investimento assim como os incentivos específicos e fiscais, aprovados pelo executivo angolano para promover a entrada de empresas para o sector. Ao terminar a sua explanação, o Embaixador de Angola enfatizou sobre a necessidade de contactos directos entre o grupo de investidores e a Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (AIPEX), garantindo o apoio institucional da Missão Diplomática na concretização de uma viagem de exploração comercial, para que estes possam passar o seu conhecimento técnico a membros da praça empresarial angolana da indústria de lacticínios, bebidas, cosméticos e cuidados pessoais, saúde, petróleo e gás, transporte de produtos tóxicos, distribuidores agrícolas, pecuários e pesqueiros. O Grupo Armando Alvarez é líder na Península Ibérica, no ramo da produção e exportação de embalagens de plástico para todos os sectores, incluindo o retalhista e é composto por quase uma vintena de empresas em variados domínios de actividade.

De esquerda à direita: Fernando Ignacio Ondo Ndjeng , Presidente do CIPVE; Rubén Calderón, Reitor da UNEATLANTICO; F. Álvaro Durántez, Director de Relações Institucionais da FUNIBER
África, Ciência, Cultura, Educação, Espanha, Europa, Guiné Equatorial, Ibero-África, Iberofonia, Sociedade

FUNIBER e UNEATLANTICO firmam convênio de colaboração com o Centro Internacional de Pós-graduação da Guiné Equatorial e a Academia Ecuatoguineana de la Lengua Española

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) e a Universidad Europea del Atlántico (UNEATLANTICO) firmam um convênio de colaboração com o Centro Internacional de Pós-graduação da Guiné Equatorial “Verónica Eyang” (CIPVE) e a Academia Ecuatoguineana de la Lengua Española (AEGLE). O Director de Relações Institucionais da FUNIBER da Cátedra FUNIBER de Estudos Iberoamericanos e da Iberofonia, Frigdiano Álvaro Durántez Prados, o Reitor Rubén Calderón Iglesias, e Fernando Ignacio Ondo Ndjeng Afang, Presidente do CIPVE e académico de número da AEGLE, oficializaram este acordo que tem como objectivo principal fortalecer e desenvolver programas académicos, científicos e culturais, assim como o intercâmbio de docentes e profissionais entre as instituições signatárias. O convênio sublinha o compromisso partilhado pelas quatro entidades na promoção do conhecimento e no reforço dos laços entre os países de língua espanhola. Através deste acordo, procura-se também valorizar a identidade e a dimensão africana, especialmente a equato-guineense, dentro do Espaço multinacional da Iberofonia mediante a difusão da cultura hispânica e da língua espanhola. As áreas de colaboração incluem o desenvolvimento de projectos de cooperação nacional e internacional, a difusão de programas académicos de graduação, pós-graduação, mestrado e doutoramento na Guiné Equatorial e a organização de conferências, cursos e reuniões conjuntas. Além disso, será dada especial ênfase à formação de professores de espanhol como língua estrangeira, promovendo uma poderosa oferta educativa para o continente africano. Da mesma forma, o acordo também estipula a criação de um escritório de representação da FUNIBER nas instalações do CIPVE em Bata, Guiné Equatorial, para facilitar a gestão de bolsas de estudo e programas académicos dos quais os alunos e estudantes equato-guineenses podem beneficiar. Este acordo visa igualmente promover o progresso cultural, económico e social através da cooperação e do intercâmbio de conhecimentos entre as instituições signatárias. Além disso, consolida uma aliança estratégica que promete grandes benefícios para os âmbitos educativo e cultural dos países hispanofalantes. Acordo específico entre a FUNIBER e o Centro Internacional de Pós-graduação da Guiné Equatorial Por sua vez, os representantes da FUNIBER e do CIPVE assinaram um acordo bilateral específico destinado à formação a distância em mais de oitenta programas académicos de pós-graduação, incluindo especialidades, mestrados e doutoramentos, com ênfase na qualificação de professores em linguística aplicada ao ensino do espanhol como língua estrangeira. Esta medida promoverá, a partir da Guiné Equatorial, a criação de uma poderosa oferta de ensino da língua espanhola para todo o continente africano, um objectivo estratégico no âmbito da Iberofonia.

Ana-Clara-Guerra-Marques-entrevista-Radio-Iberoafrica-CEARTE-capa
Angola, Arte, Ciência, Criança, Cultura, Dança, Desenvolvimento sustentável, Educação, Ibero-África, Iberofoia, Justiça, Juventude, Mulher, Paz, Saúde, Sociedade, Turismo

Professora Ana Clara Guerra Marques Concede entrevista à Iberoáfrica na Arena das Artes 2024 do CEARTE

Em alusão à realização da arena das artes do Instituto Politécnico Superior de Artes afeto ao Complexo das Escolas de Artes (CEARTE) Nº 9011; sob o lema “nós, as artes e o meio ambiente no centro”, a Rádio Iberoáfrica entrevistou a renomada pesquisadora angolana, docente e fundadora da Companhia de Dança Profissional Angolana (CDC Angola), Ana Clara Guerra Marques, que foi homenageada pelos seus anos dedicados à dança e à formação artística em Angola. O Festival Arena das Artes – CEARTE 2024, que decorre de 28 a 31 de Maio, é organizado pela direcção da instituição e tem como objectivo a demonstração das competências humanas, artísticas, pedagógicas e profissionais de professores e alunos do CEARTE, por outro lado, o Festival visa homenagear todos profissionais que tiveram um papel fundamental na história e no desenvolvimento da instituição bem como nas artes e na cultura de Angola. E no primeiro dia do Festival a homenageada foi a professora Ana Clara, uma das principais precursoras do CEARTE, cuja relação com a instituição data desde 1975. A Dra. Ana Guerra Marques foi a mentora para a área da dança da instituição e a primeira Directora da mesma, enquanto Escola Nacional de Dança em 1978, por indicação do poeta António Jacinto do Amaral Martins (com pseudónimo Orlando Távora), na altura Ministro da Cultura (1975-1978). A ela se deve a criação e a defesa do ensino profissional da dança em Angola, ao assumir em 1978, a direcção da única escola de dança existente no país. Com os alunos da escola, Ana Guerra Marques funda, em 1991, a CDC Angola. Na sua primeira entrevista à Iberoáfrica, destacou: Depois de sensivelmente cinco décadas, que significado tem para si esta homenagem? – Este momento traduz a minha história com o CEARTE, comecei a dirigir a escola em 1978, após a saída da professora responsável pelo curso, quando era aluna da escola, e fiquei dirigindo a Escola Nacional de Dança por indicação do antigo Ministro na altura, o poeta António Jacinto, que não se compadeceu com os meus argumentos, pois era muito jovem; todavia, com o tempo fui percebendo a importância que era de eu estar naquele lugar, ou seja, eu poder desenvolver o ensino artístico que eu tinha começado enquanto criança, pois, desde pequena já sabia que ser bailarina era uma profissão. E, portanto, começar isso de novo no nosso país, um país novo que acabava de conhecer a independência. E assim fui batalhando, fui continuando, desenvolvi o melhor que eu podia, dentro das condições que o país permitia, com a ajuda de professores de fora que vinham cá de vez em quando. Depois chegou uma altura que fui formar-me em dança, fiz a minha licenciatura e o meu mestrado, e em realidade eu olho para trás, e vou ser muito sincera, eu sou mesmo muito transparente – eu não posso dizer que esteja feliz, contente 100%, porque se se tivesse apostado nas artes, no ensino da dança por exemplo, nós nesta altura teríamos várias gerações de bailarinos, coreógrafos, professores de dança e esta escola teria um nível muito mais alto, já teríamos um ensino superior, ou seja, eu acho que não houve um investimento estatal suficiente no ensino das artes. E nós vemos por aqui, tantos anos depois, temos somente uma companhia profissional, temos uma escola que se debate com todo o tipo de dificuldades e mais alguma, temos alunos que precisam de muito mais, precisamos de bons professores – de níveis técnicos mais elevados, equiparados alunos de nível médio com outros de outras formações, por exemplo; mas os alunos têm um nível muito abaixo daquilo que é preciso ter… esta é a verdade, ou seja, a culpa não é dos alunos, não é dos professores, a culpa não é da instituição, há realmente um compromisso, uma obrigação grande que não está a ser devidamente assumida por parte das estruturas estatais, governamentais, que têm que olhar para esta Escola porque é uma Escola Estatal. É preciso que os professores tenham a formação certa para poderem ensinar e não basta ter licenciatura ou mestrado, tem que o ter naquela área, no caso, música, dança, teatro, por exemplo. Como nós sabemos, qualquer área artística é uma área do saber, por isso, há doutoramentos e pós-doutoramentos em dança, música, teatro, etc. em suma, a instituição não é aquilo que eu sonhei um dia, quando comecei muito jovem, cheia de ideias, de perspectivas. Passaram-se muitos anos e eu continuo a fazer o meu trabalho de investigação e sobretudo continuo a criar com os meus bailarinos, como coreógrafa, e, portanto, continuo a fazer este trabalho criativo, de partilhar com o público, de intervir para a mudança da sociedade através das peças que nós fazemos. E olhar para esta legião fantástica de bailarinos que eu formei na companhia, que estão sempre dispostos, que são realmente profissionais, isto é o que me faz perceber como foi importante tudo isto. Nós dançamos fora de Angola e o nosso país através da companhia é aplaudido em pé. Que tipo de apoios a companhia que dirige tem recebido a nível ministerial ou governativo? – Como já mencionei, o nosso país através da CDC Angola é aplaudido em pé lá fora, porém, é uma companhia que não tem apoio, é uma companhia que está abandonada pelo Ministério de tutela, mas nós temos uma grande força – que é sermos profissionais, e isso vincula-nos ao nosso trabalho e ao cumprimento desta missão, que é contribuir fortemente para o desenvolvimento da dança profissional, intelectual de Angola. Há mais de 49 anos, a seu ver qual é o caminho que deve ser trilhado para que Angola esteja ao nível dos países que se desenvolveram e se destacam na área das artes? Considerando que uma sociedade não se faz apenas com médicos, militares e engenheiros, mas, e sobretudo com artistas, escritores e intelectuais. – Os artistas, escritores e os intelectuais, isso aí… este é que é o coração das sociedades… Como tu disseste e muito bem, sabes… se não temos professores licenciados

Angolanos participam no Filme Espanhol-A fuga-Rádio-Iberoáfrica-Capa
Angola, África, Arte, Cinema, Cultura, Espanha, Europa, Ibero-África, Iberofonia

Angolanos participam no Filme Espanhol “A fuga”

“A fuga”, a primeira longa-metragem de Tuti Fernández, defende que não há idade para aproveitar as oportunidades, mesmo que isso signifique romper com o que está estabelecido. É a ideia que fica na cabeça do espectador ao terminar de assistir “A fuga”. Os actores vivenciaram a aventura das suas personagens. Um elenco sénior, o facto de viajarem para Angola para filmar aquele que para muitos é o filme mais importante das suas carreiras, e de um grande impacto. Interpretado pelo irlandês (espanhol por adopção) Declan Hemp, de 61 anos. Em código de humor e sempre levando as coisas um pouco ao extremo, como é de regra na comédia conta a história de um trompetista de jazz (Mike Blow, interpretado por Hemp) que acaba em uma casa de repouso especializada em música. A maioria deles são glórias aposentadas da música clássica que passam seus últimos dias jogando bingo. Um grupo de idosos, todos músicos aposentados, após anos de turneês e sucesso ao redor do mundo, passa os seus últimos dias em uma casa de repouso. A tranquilidade é quebrada no dia em que Mike Blow, um excêntrico músico de jazz com Alzheimer, chega à residência. Um telefonema e um engano são o gatilho para um plano. Mike irá convencê-los a fugir de lá e embarcar numa viagem para África para encontrarem com uma orquestra de crianças de rua em Angola. A viagem mudará para sempre a vida de todos eles. Toda gravação do filme foi possível graças aos esforços de toda a equipa técnica e artística e, sobretudo, à colaboração das Embaixadas de Angola em Espanha e da Embaixada de Espanha em Angola, bem como da companhia aérea angolana TAAG e do Instituto de Cinema Angolano. Tuti Fernández apontou que filmar em Angola foi uma experiência inesquecível. “Tivemos um elenco maravilhoso de actores angolanos e parte da equipa técnica e de produção também era residente em Luanda”. Ressaltou o prazer de filmar tanto em Luanda como na desembocadura do Rio Kwanza, proporcionando imagens fantásticas, além de partilhar dias de filmagem na Escola Kaposoka, acolhidos por Pedro Fançony e sua equipa. “As crianças da escola desempenharam um papel maravilhoso”. Tuti Fernández falou com muito carinho sobre as crianças da escola de música Kaposoka, a forma em que está estruturada para ensinar as crianças. E relembra que conheceu a escola há anos, através do produtor Manuel Serrano, e decidiu contar a história de duas gerações, idosos e crianças e de duas culturas, a espanhola e a angolana, unidas através da música. “Estas duas gerações e culturas diferentes aprenderão uma com a outra na nossa história”. O lançamento do filme em Espanha foi no passado dia 10 do corrente mês e ano. Mas, antes do lançamento comercial, o filme foi seleccionado em festivais da Espanha, Estados Unidos, Canadá, México. Em vários destes festivais foi premiado com reconhecimento de melhor filme e elenco artístico. Sobre a estreia em Angola e perspectivas do filme, salientou que “de momento o filme está nas mãos de uma das mais importantes distribuidoras espanholas chamadas – A Contracorrente”. Actualmente é exibido exclusivamente nos cinemas Verdi de Madrid e “esperamos que tenha sucesso suficiente para ser exibido em outros países e continentes. Esperamos poder estreá-lo em algum momento em Angola, para que os actores que nele participaram e a equipa técnica possam desfrutar da sua história na tela grande”, concluiu. Sobre o elenco, talvez o caso mais eloquente e divertido seja o da actriz Bel Orfila, de 83 anos. Na primeira noite que a equipa passou em Angola, Sergio Pazos (59 anos) e Declan Hemp não quiseram perder a oportunidade de visitar uma discoteca local. Ao apresentarem o seu plano ao restante do elenco, Orfila disse a frase-chave: “Estou dentro”. “Ela saiu conosco às onze da noite e fomos a uma boate”, lembra Declan. “Éramos dois homens de 50 e 60 anos e uma senhora de 83. “Em todos os momentos estive atento para cuidar dela, para procurar mesa. E nos divertimos muito. Outros preferiram ficar no hotel, mas ela era a primeira a se alistar para tudo”.

Dia de África 2024 Rádio Iberoáfrica
África, Afrodescendência, Angola, Comunicação, Cultura, Desenvolvimento sustentável, Diplomacia, Economia, Educação, Emprego, Gastronomia, Ibero-África, Iberofonia, Juventude, Música, Paz, Rádio, Sociedade, Turismo

Rádio Iberoáfrica Celebra o Dia de África com realização de eventos culturais

No dia 25 de Maio de 1963, os Líderes dos Estados Africanos descolonizados, reunidos em Addis Abeba – Etiópia, criaram a Organização de Unidade Africana (OUA); esta por sua vez, teve como objectivo principal a unidade africana em prol da descolonização do resto do continente, bem como na resolução de conflitos regionais subsequentes. Foi no dia 25 de Maio de 1972 que a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu a data como o Dia de África, inicialmente nomeado Dia da Libertação de África. Em 2002 os Líderes Africanos membros da OUA substituem o nome por União Africana (UA). E para assinalar esta data tão importante para África e para o mundo, a Rádio Iberoáfrica realiza uma série de eventos culturais para os africanos e todos os afrodescendentes no mundo inteiro. Para assinalar a efeméride, a Rádio Iberoáfrica realiza diferentes eventos culturais em distintos pontos da cidade de Luanda, como o Iº Festival África Sabores, Cores e Cultura, o tão aclamado programa de televisão Iberófono e Afrodescendente Yetu Song desenvolvido pela Rede Kulturalmente Yetu (KY) em pareceria com a Gudesom e tem como rosto o prestigiado apresentador e artista Bern Chissende. E para a materialização destas actividades a Rádio Iberoáfrica e o Kulturalmente Yetu juntaram-se a parceiros estratégicos como o Shopping Popular – Camama, Gudesom, STA ANGOLA, Audiometragem e renomados artistas africanos. Feira Ibero-Africana de Artesanato: O principal artesão da Feira Ibero-Africana de Artesanato, João Kalomo é artesão há mais de 20 anos, e destaca a importância do artesanato na preservação da história e da cultura africana, defendendo que “é importante que tanto as gerações presentes como as gerações porvindouras conheçam a nossa história e a nossa identidade, por isso, o artesanato é uma forma de expressão artística que dá esse realce.” E quando questionado sobre a sua principal motivação, o artesão africano Kalomo argumentou, “a cultura não deve morrer, recebemos dos nossos antepassados esta riqueza e queremos passá-la às futuras gerações para que a nossa história permaneça viva”. Kalomo retrata nas suas obras o imbondeiro, como símbolo da resistência, a resiliência e o amor da mãe africana, bem como figuras místicas de África e outras obras que espelham a história e a cultura Ibero-Africana. Gastronomia: No festival foram apresentados os principais pratos típicos africanos. Foram igualmente expostos projectos com propostas inovadoras no ramo da culinária, como a introdução de pratos, sabores e ritmos que combinam a gastronomia africana com sabores de países ibero-americanos. Música ao Vivo: Para o encerramento do Festival foi estreado o Yetu Song, um programa Kulturalmente Yetu, sob o comando do apresentador Bern Chissende. Yetu Song tem apoio à realização da Gudesom, é um programa inovador desenvolvido para o fomento e articulação cultural de artistas, produtores, pesquisadores e todos os profissionais e agentes da indústria cultural do espaço multinacional e intercontinental da Iberofonia e Afrodescendente. O programa divulgou músicas ao vivo em línguas africanas, obras inéditas dos cantores Paytto Yamale, com o tema “Mama África” e Abraão Pharya, que apresentou a canção “Ulamba”. O 25 de Maio é uma ocasião especial para reflectir sobre as conquistas e desafios do continente africano. Neste sentido, é importante destacar a Agenda 2063 da União Africana (UA), um roteiro estratégico criado para impulsionar o desenvolvimento socioeconómico e a integração de África ao longo de um período de 50 anos, 2013-2063. Com a realização destes eventos, a Rádio Iberoáfrica evidencia a relevância da efeméride e promove a cultura da paz e do entendimento, através da valorização da identidade cultural africana, como factor de unidade dos africanos sem exclusão dos afrodescendentes. Segundo a Directora da Revista Iberoáfrica, Solange Chissende, “um dia como este deve necessariamente remeter-nos à uma celebração que englobe todos os filhos de África, os afrodescendentes espalhados pelo mundo, e com palavras de irmandade lembramos desde Angola as suas raízes com saudações calorosas e fraternas”. Com a celebração do Dia de África, a Rádio Iberoáfrica apoia os esforços para o desenvolvimento sustentável, para que todos os africanos tenham a oportunidade de atingir o seu pleno potencial, contribuindo assim para “A África que queremos”. A Rádio Iberoáfrica deseja a todos os africanos um feliz Dia de África, na certeza que todos nós somos parte de um todo.

Espanha-Guiné-Bissau-acordo-cooperação-combate-crime-econômico-Rádio-Iberoáfrica
Guiné-Bissau, Espanha, Ibero-África, Iberofonia, Justiça, Política

Espanha vai apoiar a Guiné-Bissau no Combate ao Crime Econômico e Branqueamento de Capitais

O Conselho Geral do Notariado e dos Registos de Espanha (CGNRE) e Guiné-Bissau afirmam compromisso no combate ao crime econômico e branqueamento de capitais através de um acordo de cooperação, cuja implementação vai contar com um novo sistema informático no serviço de identificação civil e dos registos. A informação foi avançada no passado dia 15 de Março do ano em curso, na capital da Guiné-Bissau, pelo Chefe da Delegação Espanhola que se deslocou àquele país africano, Don Alfonso Cavallé, na sua visita de três dias em Bissau assegurou que a finalidade da cooperação é “trabalhar em experiências mútuas de melhoria dos nossos notariados, também o aproveitamento das experiências na aplicação das tecnologias ao trabalho do notariado, a cooperação na luta contra a delinquência económica e o branqueamento de capitais”. Reiterou Alfonso Cavallé que, “este é um acordo de intenções, um acordo de amizade”. Por outro lado, o Director Geral de Identificação Civil, Registo e Notariado da Guiné-Bissau, Elder Cruz Vieira, ao reconhecer as dificuldades que o seu pelouro enfrenta asseverou “temos estado a viabilizar no quadro da reforma que o Governo está a fazer a nível da justiça no seu todo, está-se a fazer um trabalho no sector”. Cruz Vieira contou que o que se vê hoje nos serviços de notariado da Guiné-Bissau é um sinal claro de melhoria no sector, concluiu o responsável. Por seu turno, Maria Luísa Pacheco, Conselheira de Relações Internacionais do CGNRE, destacou; “é uma missão relâmpago, mas com certeza será a primeira de muitas mais”. A funcionária dos serviços de notariado de Espanha de nacionalidade portuguesa destacou ainda que o fornecimento de informáticos e toda a tecnologia que será implementada, “tudo isso oferecido pelo Conselho de Notariado de Espanha, que apostou aqui na Guiné-Bissau o mesmo que estamos a implementar também na América Latina”.

Não é possível copiar o conteúdo desta página

Scroll to Top