Rádio-Iberoáfrica-Logo-Oficial-500x500px

Mulher

Ana-Clara-Guerra-Marques-entrevista-Radio-Iberoafrica-CEARTE-capa
Angola, Arte, Ciência, Criança, Cultura, Dança, Desenvolvimento sustentável, Educação, Ibero-África, Iberofoia, Justiça, Juventude, Mulher, Paz, Saúde, Sociedade, Turismo

Professora Ana Clara Guerra Marques Concede entrevista à Iberoáfrica na Arena das Artes 2024 do CEARTE

Em alusão à realização da arena das artes do Instituto Politécnico Superior de Artes afeto ao Complexo das Escolas de Artes (CEARTE) Nº 9011; sob o lema “nós, as artes e o meio ambiente no centro”, a Rádio Iberoáfrica entrevistou a renomada pesquisadora angolana, docente e fundadora da Companhia de Dança Profissional Angolana (CDC Angola), Ana Clara Guerra Marques, que foi homenageada pelos seus anos dedicados à dança e à formação artística em Angola. O Festival Arena das Artes – CEARTE 2024, que decorre de 28 a 31 de Maio, é organizado pela direcção da instituição e tem como objectivo a demonstração das competências humanas, artísticas, pedagógicas e profissionais de professores e alunos do CEARTE, por outro lado, o Festival visa homenagear todos profissionais que tiveram um papel fundamental na história e no desenvolvimento da instituição bem como nas artes e na cultura de Angola. E no primeiro dia do Festival a homenageada foi a professora Ana Clara, uma das principais precursoras do CEARTE, cuja relação com a instituição data desde 1975. A Dra. Ana Guerra Marques foi a mentora para a área da dança da instituição e a primeira Directora da mesma, enquanto Escola Nacional de Dança em 1978, por indicação do poeta António Jacinto do Amaral Martins (com pseudónimo Orlando Távora), na altura Ministro da Cultura (1975-1978). A ela se deve a criação e a defesa do ensino profissional da dança em Angola, ao assumir em 1978, a direcção da única escola de dança existente no país. Com os alunos da escola, Ana Guerra Marques funda, em 1991, a CDC Angola. Na sua primeira entrevista à Iberoáfrica, destacou: Depois de sensivelmente cinco décadas, que significado tem para si esta homenagem? – Este momento traduz a minha história com o CEARTE, comecei a dirigir a escola em 1978, após a saída da professora responsável pelo curso, quando era aluna da escola, e fiquei dirigindo a Escola Nacional de Dança por indicação do antigo Ministro na altura, o poeta António Jacinto, que não se compadeceu com os meus argumentos, pois era muito jovem; todavia, com o tempo fui percebendo a importância que era de eu estar naquele lugar, ou seja, eu poder desenvolver o ensino artístico que eu tinha começado enquanto criança, pois, desde pequena já sabia que ser bailarina era uma profissão. E, portanto, começar isso de novo no nosso país, um país novo que acabava de conhecer a independência. E assim fui batalhando, fui continuando, desenvolvi o melhor que eu podia, dentro das condições que o país permitia, com a ajuda de professores de fora que vinham cá de vez em quando. Depois chegou uma altura que fui formar-me em dança, fiz a minha licenciatura e o meu mestrado, e em realidade eu olho para trás, e vou ser muito sincera, eu sou mesmo muito transparente – eu não posso dizer que esteja feliz, contente 100%, porque se se tivesse apostado nas artes, no ensino da dança por exemplo, nós nesta altura teríamos várias gerações de bailarinos, coreógrafos, professores de dança e esta escola teria um nível muito mais alto, já teríamos um ensino superior, ou seja, eu acho que não houve um investimento estatal suficiente no ensino das artes. E nós vemos por aqui, tantos anos depois, temos somente uma companhia profissional, temos uma escola que se debate com todo o tipo de dificuldades e mais alguma, temos alunos que precisam de muito mais, precisamos de bons professores – de níveis técnicos mais elevados, equiparados alunos de nível médio com outros de outras formações, por exemplo; mas os alunos têm um nível muito abaixo daquilo que é preciso ter… esta é a verdade, ou seja, a culpa não é dos alunos, não é dos professores, a culpa não é da instituição, há realmente um compromisso, uma obrigação grande que não está a ser devidamente assumida por parte das estruturas estatais, governamentais, que têm que olhar para esta Escola porque é uma Escola Estatal. É preciso que os professores tenham a formação certa para poderem ensinar e não basta ter licenciatura ou mestrado, tem que o ter naquela área, no caso, música, dança, teatro, por exemplo. Como nós sabemos, qualquer área artística é uma área do saber, por isso, há doutoramentos e pós-doutoramentos em dança, música, teatro, etc. em suma, a instituição não é aquilo que eu sonhei um dia, quando comecei muito jovem, cheia de ideias, de perspectivas. Passaram-se muitos anos e eu continuo a fazer o meu trabalho de investigação e sobretudo continuo a criar com os meus bailarinos, como coreógrafa, e, portanto, continuo a fazer este trabalho criativo, de partilhar com o público, de intervir para a mudança da sociedade através das peças que nós fazemos. E olhar para esta legião fantástica de bailarinos que eu formei na companhia, que estão sempre dispostos, que são realmente profissionais, isto é o que me faz perceber como foi importante tudo isto. Nós dançamos fora de Angola e o nosso país através da companhia é aplaudido em pé. Que tipo de apoios a companhia que dirige tem recebido a nível ministerial ou governativo? – Como já mencionei, o nosso país através da CDC Angola é aplaudido em pé lá fora, porém, é uma companhia que não tem apoio, é uma companhia que está abandonada pelo Ministério de tutela, mas nós temos uma grande força – que é sermos profissionais, e isso vincula-nos ao nosso trabalho e ao cumprimento desta missão, que é contribuir fortemente para o desenvolvimento da dança profissional, intelectual de Angola. Há mais de 49 anos, a seu ver qual é o caminho que deve ser trilhado para que Angola esteja ao nível dos países que se desenvolveram e se destacam na área das artes? Considerando que uma sociedade não se faz apenas com médicos, militares e engenheiros, mas, e sobretudo com artistas, escritores e intelectuais. – Os artistas, escritores e os intelectuais, isso aí… este é que é o coração das sociedades… Como tu disseste e muito bem, sabes… se não temos professores licenciados

Rádio Iberoáfrica - Dia Internacional da Mulher 2024
Mulher, África, América, Angola, Ásia, Europa, Igualdade de Gênero, Justiça, Sociedade

A Rádio Iberoáfrica Celebra o Dia Internacional da Mulher

A Rádio Iberoáfrica celebra o Dia Internacional da Mulher, 8 de Março e homenageia todas as mulheres com entrevista a uma empreendedora africana que destaca o papel da mulher angolana na edificação da sociedade. O Dia Internacional da Mulher está incluído no calendário africano e no calendário do mundo inteiro, celebrado em mais de 100 países como resultado do reconhecimento da data pela Organização das Nações Unidas (ONU), desde o ano 1975. Hoje sexta-feira, o 8 de Março tem o objectivo de conscientizar a sociedade africana e global sobre a importância dos direitos da mulher. E para assinalar esta homenagem, a Rádio Iberoáfrica entrevistou Marisa Saiago, uma mulher de negócios, que ao debruçar sobre o papel da mulher na sociedade, descreveu o significado de ser mulher, assinalando que “a mulher representa a força genuína, coragem e exclusividade”, e que segundo a mesma, ao parafrasear a escritora angolana Kanguimbo Ananás, membro da União dos Escritores Angolanos, “a mulher é a elasticidade do universo, por ter o dom de gerar vida”. Marisa relevou o contributo da mulher nas sociedades desde os primórdios, ao salientar “a Rainha Njinga Mbandi, Rainha do Ndongo e fundadora do Reino da Matamba, traduz a força, audácia e a determinação da mulher angolana e africana”, tendo por conseguinte considerado a presença e a participação da mulher em várias áreas da vida social, política, académica, científica, pois vemos “em Angola como as mulheres vão conquistando por mérito o seu lugar nas áreas estratégicas da vida do nosso país”, Saiago avançou, “hoje é possível termos uma mulher Presidente da Assembleia da República, uma Vice-Presidente da República, vamos assistindo com muito interesse à mulheres com cargos de direcção nos diferentes partidos políticos, mulheres que fazem a diferença nas engenharias, na saúde, nos negócios, na indústria transformadora, no ensino, ciência, tecnologia e inovação, mas é preciso lembrar que a mulher zungueira, agricultora e todas as profissões e condições sociais, todas sem excepção de nenhuma, são a pedra angular para o suporte, desenvolvimento e harmonia da nossa sociedade”, considerou Marisa Saiago. A jovem empreendedora apela, “a sociedade hoje precisa de se alinhar e conseguir enxergar o outro lado da mulher”, quando ao se dirigir para as mulheres considerou a importância destas olharem para dentro si mesmas e despertarem o potencial de cada uma, buscando o conhecimento e o crescimento pessoal, incentivando-as ao empreendedorismo aliando sempre à formação e capacitação contínua, objectivando uma maior proatividade, para que cada uma consiga encontrar o seu lugar na sociedade. Marisa Saiago é mentora da empresa GestAgroSul do ramo do agronegócio, e é criadora da marca Gest.Consultoria, dedicada à consultoria, formações, treinamento e mentoria em gestão de recursos humanos e marketing, e ajuda pessoas singulares, pequenas, médias e grandes empresas. Marisa, incentiva as mulheres à busca do autoconhecimento e ao alcance da alta performance nas diferentes áreas de atuação. “A força está no interior de cada uma de vocês mulheres”, afirmou a especialista de recursos humanos, que ao concluir a sua entrevista cantou trechos da música “Ser Mulher da renomada cantora angolana Lourdes van-Dúnem”… Vale a pena ser mulher, vale a pena ser mulher. A Rádio Iberoáfrica homenageia todas mulheres do mundo inteiro por ocasião do 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, e deseja que todas possam alcançar os seus mais profundos desígnios, com votos de coragem, determinação, saúde, paz e realização.

Rádio Iberoáfrica jovem afro rádio
África, América, Angola, Ásia, Ciência, Comunicação, Criança, Cultura, Diplomacia, Economia, Educação, Espanha, Europa, Geopolítica, História, Jornal, Justiça, Juventude, Mulher, Música, Política, Rádio, Sociedade, Tecnologia e Inovação

A Rádio da Iberofonia

A Rádio Iberoáfrica é a primeira rádio de matriz genuinamente Africana, voz da Angolanidade com vocação pan-ibérica, criada com a missão de fomentar a articulação e o intercâmbio linguístico, histórico-cultural entre todos os países do espaço multinacional e intercontinental da Iberofonia. Comprometida com a aproximação de todos os povos e nações africanas de expressão espanhola e portuguesa, assim como o estreitamento de relações culturais, diplomáticas, educativas, científicas, desportivas, ambientais e de cidadania a nível dos países de expressão portuguesa e espanhola no mundo inteiro. A Rádio Iberoáfrica, promove a cultura da paz e do entendimento entre os povos e as nações. Veículo do sector da cultura e da comunicação com projecção ao nível da Iberofonia, que compreende todos os países do mundo inteiro das duas grandes línguas ibéricas, o português e o espanhol, que, segundo Frigdiano Álvaro Durántez Prados, autor do tratado de geopolítica intitulado Iberofonía y Paniberismo. Definición y Articulación del Mundo Ibérico (Última Línea, 2018), aborda como objecto de estudo o âmbito mundial pan-ibérico de línguas espanhola e portuguesa. O espaço multinacional e intercontinental da Iberofonia é a soma da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da Comunidade Ibero-Americana de Nações (CIN), que reúne cerca de 900 milhões de pessoas e cerca de 30 países de todos os continentes, constitui a décima parte da população mundial, um quinto da superfície do planeta, o primeiro bloco geolinguístico do mundo. A Rádio Iberoáfrica promove e facilita a relação horizontal e triangular entre África, América, Ásia e Europa através do diálogo, do entendimento, da cultura, paz, educação e da colaboração internacional. A Rádio Iberoáfrica nasce no coração de Angola, na invicta cidade do Cuito, Província do Bié. Angola é o maior e o principal país Ibero-Africano, situado no coração de África e um país-chave no passado, no presente e no futuro de África bem como na história da humanidade. Angola é um país enorme, belo e inspirador, rico com a sua cultura, atraente com muitas oportunidades de progresso em áreas como o turismo, desporto, agricultura, energias limpas, indústria, pesca, educação, ciência, tecnologia, inovação; uma nação comprometida com o desenvolvimento sustentável, a paz, a igualdade de gênero, a soberania dos povos, a criança, a juventude, a justiça e a liberdade. Todos esses elementos fazem de Angola um país fundamental não somente na África iberófona, mas também em todo espaço global da iberofonia. A cultura é um elemento de identidade, crucial na relação dos povos, outrossim, na divulgação das nações ao mundo; nesse sentido, a Rádio Iberoáfrica nasce com a missão de divulgar o melhor que há a nível da Iberofonia, não somente o que toca às afinidades linguísticas partilhadas pelas nossas duas línguas, como também os aspectos ligados às raízes africanas, como as línguas, os ritmos, as cores, a ciência, a educação, a audácia dos povos africanos, em benefício do equilíbrio internacional, tornando-se assim num instrumento de abertura para os povos, particularmente os da Iberofonia. A Rádio Iberoáfrica é uma promotora do equilíbrio a um mundo cada vez mais polarizado, uma voz activa que ecoa as suas acções para os quatro cantos da terra, aludindo que este planeta que partilhamos é cheio de outras lindas histórias, experiências, conhecimentos e realidades que se nos abrirmos a descobri-las certamente seremos todos muito mais enriquecidos, quer do ponto de vista humano como do ponto de vista cultural. Por intermédio da cultura se podem dirimir certas tendências homogeneizadoras do contexto internacional, que claramente são reais nos dias de hoje. Nesta óptica, os meios de comunicação radiofónico têm um papel extremamente fulcral na promoção da cultura de paz e de entendimento, outrossim na promoção da liberdade, justiça e igualdade entre as pessoas, entre as sociedades e entre as nações do mundo inteiro. Com este nobre compromisso nasce a Rádio Iberoáfrica, com uma visão clara que favorece o diálogo e o entendimento entre os povos, estimula e apoia a cultura como factor de desenvolvimento e da sustentabilidade dos povos e das nações bem como visa o enriquecimento cultural e social de todos os cidadãos da Iberofonia, através da valorização e promoção da história, língua, cultura e da educação. A pedra angular da Rádio Iberoáfrica são os valores que seguem firmes e intrínsecos com a sua nobre visão social e missão cultural, quais são: Justiça Liberdade Solidariedade Igualdade Paz. Esta rádio pioneira na Ibero-África se torna num verdadeiro instrumento activo de comunicação, um elemento de força e expressão para as pessoas, povos e para as nações do mundo inteiro, em particular, para o espaço multinacional da Iberofonia. Desde o coração de Angola nasce uma nova luz, com vozes de esperança que ecoam o pluralismo, a unidade na diversidade, a justiça, a paz e o entendimento entre todos os povos e nações a nível do espaço multinacional da Iberofonia e do mundo inteiro. Rádio Iberoáfrica, a rádio da Iberofonia.   Artigo do Director.

Não é possível copiar o conteúdo desta página

Scroll to Top